Notícias


Caps Tribuna de Minas
21/09/2020

Deu na Mídia – Profissionais de saúde do CAPS denunciam sobrecarga e assédio moral

(Fonte: Jornal Tribuna de Minas, Juiz de Fora, edição de 21 de setembro/2020)

“Como cuidar da saúde mental das pessoas se nós estamos doentes?” O questionamento ainda sem resposta foi feito por uma assistente social que trabalha em um dos quatro Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Juiz de Fora. A fala em tom de desabafo foi dita em virtude do adoecimento dos profissionais que atuam nessas unidades, que são referência em serviços de saúde mental do SUS em Juiz de Fora.

Nos últimos dois anos, pelo menos 24 desses profissionais foram afastados de suas atividades, conforme Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juiz de Fora (Sinserpu-JF), com a queixa de grande demanda de atendimento e sobrecarga. Há ainda aqueles que solicitaram transferência para outras unidades. Os que ficam reivindicam melhores condições de trabalho e apontam aquilo que pode ser a solução: trabalhar em regime de plantão, no esquema de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso, similar às ações dos serviço médico-hospitalar de urgência e emergência do município.

Os Caps são unidades que representam o rompimento do modelo de atenção manicomial, alinhado aos princípios do SUS. Em Juiz de Fora, desde 2019, tais unidades passaram a contar com equipes efetivadas, pois, até então, eram compostos em sua totalidade por profissionais contratados. A mudança foi considerada benéfica pela categoria. Por outro lado, trouxe à tona demandas até então desconhecidas por parte do Poder Público. Hoje, a cidade conta com quatro Centros de Atenção Psicossocial: Álcool e Drogas; Leste; Infância e Juventude e Centro de Atenção à Saúde Mental.

A principal reivindicação é quanto ao regime de plantão, considerado como forma de aliviar os problemas dos trabalhadores, por permitir criar uma equipe multiprofissional composta por psicólogos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e assistentes sociais. Na estrutura atual, mesclada por plantonistas e não plantonistas, os quatro tipos de profissionais não se encontram durante todo o horário de atendimento.

Para a categoria, a necessidade do ajuste na jornada de trabalho é urgente, uma vez que, no sistema atual, há grande número de pedidos de afastamentos e desgaste excessivo dos servidores pela sobrecarga de atividades. “Da forma como é feito hoje, só enxergamos piora no cenário que já é ruim. Além de a mudança permitir a atuação de uma equipe multiprofissional, não vai sobrecarregar aqueles que estão atuando nas unidades”, defende a diretora de Saúde do Sinserpu-JF, Deise Medeiros.

Ela pontua a necessidade de um olhar mais cuidadoso com a saúde mental. “Os Caps não são serviços de porta-aberta (quando se atende e a pessoa vai embora), é um trabalho contínuo. O profissional é uma pessoa de referência para o paciente, sendo, portanto, um serviço de acompanhamento para a reinserção social do usuário e a inclusão da família no tratamento. Como eles (servidores) irão reabilitar pacientes se estão sob forte carga de estresse, sobrecarregados e doentes?”

Denúncia de assédio moral
Intimidação, coação e dificuldade de acesso ao Departamento de Saúde são outros problemas denunciados pelos trabalhadores em saúde dos Caps. Somando-se aos males físicos e mentais, há relatos de assédio moral sofrido pelos profissionais por parte da chefia das unidades, conforme revela o Sinserpu-JF. Uma profissional que preferiu não ter sua identidade revelada, por temer retaliações, contou que os colaboradores têm sido transferidos das unidades sem, sequer, serem consultados.

“Na medida em que se dão os acontecimentos, eles nos chamam e pedem que expressemos os problemas. Mas, como vamos relatar se temos medo das consequências? Nós vimos colegas serem transferidos sem avisar, sem nem mesmo uma justificativa. Aqueles que tiveram coragem de reclamar ou apontar problemas, sofreram intimidação. Por muitas vezes, eles nos chamam no Departamento de Saúde Mental, sem a presença da nossa chefia imediata. Geralmente, tem três pessoas da gestão para falar com o profissional, e, por isso, nós nos sentimos acuados e desconfortáveis, pois sabemos que podemos ser punidos de alguma forma”, disse.

“Essa coação acontece diariamente e muitas vezes, de forma velada”, afirma. Ela ainda acrescenta que tais mudanças ocorrem sem considerar o desejo da pessoa, o vínculo com a equipe e com os usuários dos centros de assistência. “O vínculo entre paciente e profissional é que faz a adesão. Isso é essencial para que os usuários continuem seus tratamentos (…). Essa quebra causa falta de segurança e medo”, finalizou.

Tentativas de reunião frustradas
Para tentar solucionar o problema, a Diretoria de Saúde do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juiz de Fora diz ter solicitado reuniões com a gerência das unidades, mas a tentativa não se concretizou. “Depois, solicitamos por meio de ofício, uma reunião com o secretário de Saúde (Rodrigo Coelho de Almeida). Ele sentou em cima desse ofício e, até agora, nada foi resolvido. Numa tentativa de enxergar esses profissionais, passamos a colocar faixas na fachada dos Caps para tornar pública a situação de vulnerabilidade e estresse em que são submetidos. É preciso mudar isso, caso assim não for, não teremos pessoas para trabalhar”, afirmou Deise.

Em nota, a Secretaria de Saúde informou não ter recebido demanda formalizada acerca da situação relatada pelos trabalhadores dos Caps. No entanto, agendou, para o início da próxima semana, reunião com o Sindicato dos Servidores Públicos para tratar do o assunto.


Outras notícias

22/01/2021
SINSERPU-JF ouve demandas na Guarda Municipal

Os diretores do SINSERPU-JF Francisco “Chiquinho” Carlos da Silva (presidente), Amarildo Romanazzi (administrativo) e Antônio Carlos [...]

22/01/2021
Aulas de Dança on line – Segunda do ano, em novo formato

Clique no link abaixo e assista mais uma Aula de Dança on line, a segunda de [...]

21/01/2021
SINSERPU-JF trata de concursos públicos e PDV em visita à EMPAV

         Concursos públicos, para as áreas administrativa e operacional, e o PDV (Plano [...]

Nossos Convênios

Confira todos os convênios participantes e aproveite!